Peru discussão a descriminalização do aborto em caso de estupro

Gioconda Diéguez - ApS Peru

Há poucos dias, o Congresso peruano começou debate sobre Projeto de Lei nº 3839-2014-IC posou a descriminalização do aborto em casos de estupro, a inseminação artificial ou transferência sem ovos de consentimento, apresentados por organizações feministas com backing 80.000 assinaturas de cidadãos, acima do número mínimo de adesões estabelecidas pela Lei de Participação e controle.

déjala decidir aborto Perú

Atualmente, no país, o aborto é legal somente em casos em que a vida da gestante está em perigo.

La actual coyuntura abrió la posibilidad de debatir una vez más sobre la despenalización del aborto en diferentes espacios, no solamente con el Estado sino también con diferentes actores de la sociedad civil. El presidente de la Comisión de Constitución y Reglamento del Congreso de la República anunció que invitará a especialistas, representantes de los colegios Médico del Perú y de Abogados de Lima, de los ministerios de Salud y de Justicia, y representantes de organizaciones para que vayan exponiendo sus posiciones frente al tema a los representantes de la Comisión.

Argumentos a favor da descriminalização

Descriminalização do aborto é um crime, enquanto considerando a interrupção da gravidez quando realizada por livre escolha das mulheres e, portanto, parar de perseguir mulheres e / ou profissionais que fazem o procedimient criminais ou judicialmenteo. Significa respeitar a decisão das mulheres em relação à maternidade, independentemente da maternidade uma obrigação, e ajudar a incentivar mais mulheres a clandestinos práticas de aborto em condições inseguras que ameaçam sua integridade, sua saúde e suas vidas.

Na América Latina e Caribe (LAC) cerca de 4,4 milhões de abortos, dos quais 95% são mulheres inseguras e muitas auto-induzir o aborto ou ir para provedores inseguras aplicação de técnicas ou não são adequadamente treinados ocorrer. Na LAC países o aborto é ilegal na maioria dos casos e em sete países da região é estritamente proibida (Instituto Guttmacher, 2008).

No caso do Peru, 8,4% das mulheres relataram ter alguma vez se juntou a violência sexual sofrida. Si bien se reconocen subregistros, según cifras del Ministerio Público (2013) en promedio se registran 49 denuncias diarias de violación sexual. Más del 90% de las víctimas de delitos contra la libertad sexual son mujeres y las edades más vulnerables en casos de violación sexual están entre 14 y 17 años de edad (PNCVHM 2009-2015). A estos datos se suman que 90 de cada 100 embarazos de niñas son consecuencia de actos incestuosos, y 34 de cada 100 adolescentes embarazadas como consecuencia de una violación sexual, se suicidaron.

O fato de que o Estado, através de legislação, obrigando a mulher a continuar uma gravidez produto de estupro envolve violência contra as mulheres, que continua, desta vez por parte do Estado.

Perú debate la despenalización del aborto en caso de violación - Alianza por la Solidaridad

Aliança para a Solidariedade tem apoiado a luta das organizações feministas e de direitos humanos para a descriminalização do aborto. Vamos Decidir Campanha onde você pode encontrar artigos e notas sobre as ações de organizações e seus argumentos para o direito das mulheres para decidir sobre seus corpos.


Deixe uma resposta

Os mais vistos da Semana

Peru discussão a descriminalização do aborto em caso de estupro

Atualmente, no país, o aborto é legal apenas em casos em que a vida ...

Na LAC cerca de 4,4 milhões de abortos ocorrem, dos quais 95% não tem certeza.


Últimas noticias

ALIANÇA PARA A SOLIDARIEDADE E O GREENPEACE ESPANHA: UM TRATADO SOBRE DIREITOS HUMANOS E TRANSNACIONAIS É URGENTE...

Da Aliança para solidariedade estão executando projetos em segurança alimentar (agricultura, pecuária, aquicultura...)

 Más noticias
Empresas rentables pero responsables con los recursos
Aliadas
Únete, haz voluntariado
Visita nuestra Tienda Solidaria
Este sitio web utiliza cookies de terceros con fines exclusivamente estadísticos. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. [Desligar]